Top 10 Aventuras Gráficas

As aventuras gráficas são o meu género favorito, por isso nada mais natural que apresentar as minhas dez aventuras gráficas favoritas. Repito, favoritas e não as melhores. Ficaram grandes jogos de fora como Grim Fandango, Day of the Tentacle, Broken Sword, Sam & Max e por aí fora. Podem ver o video ou ler o artigo, you choose!


10- Shivers – 1995

Estava mesmo para não entrar neste top. Está longe de ser um grande jogo, mas é a maldita nostalgia a falar mais alto. Foi um dos meus primeiros jogos, e um dos que tenho mais e melhores recordações. Já vos falei sobre ele aqui.

 

9- The Beast Within: A Gabriel Knight Mystery – 1995

É o segundo capítulo da melhor série de sempre dentro do género e o exemplo máximo de jogos em FMV. É no entanto o jogo que menos gostei da saga, por isso já devem adivinhar o que vem aí de seguida. Podem ler uma breve retrospectiva que escrevi sobre o jogo.

 

8- Machinarium – 2009

O quê?! Um jogo tão recente já aqui no meio dos crescidos?! Que infâmia é esta?! Ficou em 2º nos meus GOTY 2009 e com boa razão. O jogo é fantástico, foi necessário meia dúzia de marmanjos checos para ensinar a todos como se fazem aventuras gráficas point & click clássicas e tradicionais. Anda tudo a tentar mudar e inovar elementos que sempre resultaram, e resultaram porque são perfeitos para o género. Uma salva de palmas para a Amanita Design.

 

7- Dreamfall: The Longest Journey – 2006

Sequela dum dos meus jogos favoritos de sempre, Dreamfall teve um grande problema. Tem uma narrativa estupenda, mas como jogo é bastante fraco, fruto das mecânicas “consolizadas” que Ragnar Tornquist desenvolveu para esta sequela. Mesmo depois de todos sabermos que jogos de PC desenvolvidos a pensar para consolas NUNCA resultam.

 

6-  Still Life – 2005

É verdade! Entra o Still Life e não o peso pesado Syberia. Reconheço a enorme importância de Syberia, e de facto é um excelente jogo que poderia muito bem estar aqui neste top, mas Still Life teve um impacto muito maior em mim (embora os meus olhos tenham ficado húmidos no final de Syberia 2). Still Life conseguiu misturar uma temática que muito gosto (policial) com um ambiente muito próprio, uma protagonista memorável, e uma das cenas mais emocionalmente poderosas que tive oportunidade de assistir. Para além dum monumental cliffhanger estragado pela péssima sequela.

 

5- The Secret of Monkey Island – 1990

Ajudou a redefinir o género no inicio da década de 90, a década de ouro das aventuras gráficas. Portador duma comédia inteligente e protagonizado por um dos melhores heróis jamais vistos. Teve uma reedição no ano passado que felizmente deu a conhecer o jogo às novas gerações.

 

4- Gabriel Knight 3: Blood of the Sacred, Blood of the Damned – 1999

Ultimo capitulo da saga. Tem provavelmente uma das histórias mais ricas dos videojogos, mergulhada num ambiente tremendamente imersivo. Para além de que expôs e explicou tudo o que O Código daVinci tentou fazer sem sucesso. Inspirado pelo polémico livro The Holy Blood and the Holy Grail, Gabriel Knight 3 mistura, como Jane Jensen tão bem sabe fazer, factos com ficção e o resultado são horas e horas de puro orgasmo narrativo. Ah, e tem o melhor puzzle de sempre na história da industria dos videojogos (parece um exagero, mas não é. Le Serpente Rouge é FABULOSO)

 

3- Gabriel Knight: Sins of the Fathers – 1993

Começo a repetir-me um pouco quando falo em Gabriel Knight e Jane Jensen. Excelente história, fantásticos ambientes, etc e tal. O que eleva este primeiro capitulo à frente das suas sequelas? Como um todo é o mais consistente, não tendo nenhum aspecto menos conseguido. O 2º jogo sofre os problemas normais dum jogo FMV, o 3º tem um motor de jogo atroz, no entanto este 1º jogo é quase perfeito em todos os aspectos.

 

2- The Last Express – 1997

Já disse quase tudo o que tinha a dizer na minha retrospectiva, resta-me enaltecer o facto de ser um dos jogos mais inovadores e arrojados desta lista. Fez coisas novas e diferentes, e a verdade é que as fez bem. Uma pena que seja um titulo tão obscuro.

 

1- The Longest Journey – 1999

Sem surpresas é o The Longest Journey que está no topo, ainda para mais depois de ter escrito aquele artigo de bajulação no inicio da semana, era previsível, mas inteiramente merecido.

Comments
2 Responses to “Top 10 Aventuras Gráficas”
  1. João Mealha diz:

    Belo top meu;)
    Se bem que por mim metias apenas um jogo por franchise.Eu costumo ter essa regre e acho que os tops devem ser feitos assim.Ou então fazias batota e metias os jogos todos juntos como fizeste com o senhor dos anéis.
    Mas belo top mais uma vez.
    A ver se jogo um desses jogos ainda este ano diaxo.

Trackbacks
Check out what others are saying...


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: