As influências de Veronica Mars

“Eu e os meus amigos acabámos de ver uma maratona de Veronica Mars, e eu não me consigo conter. Melhor. Série. De sempre. A sério, eu nunca me vi tão envolvido por uma série que não estivesse a fazer”. Obviamente esta declaração não é minha, eu nunca fiz uma série, estas são palavras de Joss Whedon, responsável por Buffy, Firefly e Serenity. É curioso que Whedon tenha dito isto, porque Veronica Mars foi constantemente comparada com Buffy, os órfãos da série de culto de Whedon desde logo começaram a tentar procurar um substituto, e parece que inicialmente as atenções moveram-se para uma pequena série da UPN (actualmente CW), chamada Veronica Mars.

Se inicialmente compreende-se a ligação com Buffy (ambas as séries são protagonizadas por adolescentes louras) a verdade é que não apresentam muitas mais semelhanças. É verdade que ambas as séries são retratos metafóricos do que é ser adolescente e das dificuldades de crescimento e da entrada na vida adulta, no entanto a forma como cada uma delas mostra isso é bastante distinta. A génesis e os factores que influenciaram Veronica Mars diferem das de Joss Whedon.

São precisamente essas influências que tentarei mostrar neste artigo, não me focarei muito na história e estrutura da série, até porque já falei muito sucintamente sobre cada uma das temporadas em antigos posts e é informação que está à distancia dum clique numa qualquer Wiki. Fecho esta parte introdutória com mais uma declaração elogiosa, agora de Kevin Smith, autor de obras de culto como Clerks e Chasing Amy “Esta é sem duvidas, a melhor série televisiva do momento (n.e. 2005) e uma prova que  televisão pode ser muito melhor que o cinema… numa vida a ver televisão, Veronica Mars é facilmente uma das cinco melhores séries que já assisti.”


We used to be friends

A premissa é aparentemente simples, Veronica é uma estudante e investigadora privada amadora nos tempos livres, que trabalha ao lado do seu pai a resolver o mais variado numero de mistérios. Ok, é compreensível que não pareça muito cativante à primeira vista, Enrico Colantoni, que protagoniza Keith Mars, o pai de Veronica concorda, “Não há volta a dar. É uma premissa um bocado estúpida. Uma detective adolescente, que trabalha com o seu pai… é absurdo, sabem? E na verdade sempre que a tento descrever sinto-me um bocado embaraçado, soa um bocado pateta.” No entanto tem de haver algo mais. Não se cria uma série de culto com alicerces aparentemente tão frágeis.

Desde logo o que torna Veronica Mars tão especial é a forma como mistura de forma tão perfeita diferentes estilos e influências, aparentemente tão distintas e opostas, tudo isto suportado por uma elevada qualidade narrativa e uma escrita inteligente. Kevin Smith ajuda a compreender um pouco esta característica, “A série é basicamente uma amalgama de algumas das melhores séries de televisão de sempre, com cada uma das formulas revista e melhorada. A influência mais clara é a de Twin Peaks, com o grande mistério ao longo da temporada a envolver a morte da adolescente Lilly Kane. Mas enquanto eu sempre achei que o brilhante Twin Peaks deveria ter sido uma mini-série de 12 episódios a englobar apenas o mistério da Laura Palmer, “Mars” consegue estender o mistério tão bem que os 22 episódios nunca parecem excessivos”

Segundo Kristen Bell, o segredo está em Rob Thomas, “Eu não questiono nada que o Rob diz, porque ele está sempre certo. Ele é um brilhante escritor, e todos adoram o que ele escreve. Ninguém é um fã casual de Veronica Mars, todos eles são completamente obcecados, porque o Rob consegue agarrar as pessoas”. A escrita de Rob Thomas e companhia, que ajuda a dar credibilidade a uma premissa tão “embaraçosa” baseia-se num estilo muito centrado no humor negro, sátira e ironia, aliás grande parte dos protagonistas, em especial Veronica, são pessoas que se caracterizam de forma perfeita com estilo e tonalidade da série. A estrutura narrativa da série comporta-se um pouco como um puzzle de enormes proporções onde quase nada é deixado ao acaso, tudo tem repercussões e vários sinais são deixados ao espectador. Cada episódio é composto por um pequeno mistério para Veronica resolver, no entanto mesmo esses aparentemente vulgares mistérios ajudam a desvendar pequenas peças do puzzle mais importante. É um sinal do planeamento e inteligência dos escritores que trabalham sem receios de deixar pontas soltas a meio da história.

Well, that Maltese falcon is still eluding us

A temática noir tem uma forte predominância em Veronica Mars, mais precisamente o chamado Neo-Noir ou Teen-Noir. Os padrões pela qual a série se rege são os típicos do género.

Desde logo o protagonista, neste caso a protagonista. Veronica é uma solitária, ostracizada pelos seus amigos e comunidade, focada inteiramente na sua missão e com dificuldades em confiar nas pessoas com receio de ser traída. Para além da Veronica, também o resto do elenco segue as características tipicamente noir. Todos têm segredos, todos têm relações perigosas e ninguém é totalmente inocente. Keith, o pai de Veronica é o típico detective fustigado pelo tempo, moralmente correcto e justo. Logan, Duncan e Weevil são os equivalentes masculinos das femmes fatale, são personagens ambíguos, que por vezes ajudam a protagonista, sem que no entanto sejam totalmente claros os seus objectivos e motivações.

Thomas deliberadamente inverteu o conceito das femmes fatal do noir clássico. Com uma detective feminina, a série tem um homme em vez duma femme fatale. Originalmente Thomas queria que ele fosse o ex-namorado de Veronica, Duncan, no entanto aos poucos esse papel acabou por recair no nemesis da heroína, Logan Echolls. Logan é antipático, praticamente motivado por interesse próprio e de pouca confiança. Com a mudança de tonalidade da série, também o seu papel acaba por mudar.

O que acaba por diferencia-los dos clássicos exemplos noir é um pequeno detalhe. Eles são adolescentes. As suas aventuras, dramas e investigações abandonam os bares e becos obscuros e entram directamente nos corredores e salas de aula da escola.

Mas porquê este aspecto noir? Rob Thomas admite que “O elemento que acho mais atractivo sobre o noir são as tonalidades cinzentas nas personagens… todos temos um lado negro”. É particularmente apelativo para Thomas (que começou a sua carreira como escritor na série Dawson’s Creek) criar personagens que nem sempre fazem as coisas certas, em oposição das que habitualmente escrevia. Veronica Mars é motivada pelo bem, mas não tem medo de ir por maus caminhos para lá chegar.

Para além das personagens também a própria história pode entrar por caminhos diferentes e interessantes ao juntar a temática noir com a adolescência. Segundo Thomas, “usar ideias noir num ambiente escolar trás historias bem interessantes… Uma história noir adulta pode ser algo como um marido mata a mulher por dinheiro. As nossas histórias noir escolares têm de ser um pouco diferentes – uma boa história seria: O meu namorado tirou fotos porcas minhas. Ajuda-me a recupera-las”


Help me, Mars-Wan Kenobi, you’re my only hope

Qual a semelhança entre O Grande Lebowski, Star Trek, 2001: Odisseia no Espaço, Mario Kart, Nintendo Game Cube, Jane Austen, 1984, FHM, Picasso, os Beattles… aparentemente nada. Mas Verónica Mars têm algo que liga temas tão distintos, são por sinal um dos aspectos basilares da série: as referências culturais.

Veronica Mars é um produto nascido e criado  num mundo moldado pela cultura popular, cultura geek e cultura web. E a série reflecte bem isso. Cada episódio é uma avalancha de referências a filmes, músicas, videojogos, TV e personalidades, para se ter uma ideia basta ver o avassalador número de referências à cultura popular que Veronica Mars utiliza. É bastante assustador, mas ao mesmo tempo muito gratificante para o espectador.

Faz lembrar uma outra série que gosto, Spaced, que era também ela centrada e cimentada em inúmeras referencias à cultura em que que a série tinha sido criada. Edgar Wright descreve bem a forma como a cultura popular moldou a sua série, e que também é valida em Veronica Mars “há homenagens e referências, mas o importante não são tanto as referências, mas o facto das personagens terem as suas vidas tão governadas pela cultura popular e pelos media que só conseguem pensar dessa forma”. Veronica e companhia são personagens que se expressam através de referencias porque cresceram à volta delas.

Basta também reparar no titulo de cada episódio, todos são piscar de olhos e referências a algo: Silence of the Lamb (Silêncio dos Inocentes), Clash of the Tritons (Confronto de Titãs), Lord of the Bling (Senhor dos Anéis), Mars vs. Mars (Kramer vs Kramer), Cheatty Cheatty Bang Bang (Chitty Chitty Bang Bang), Nobody Puts Baby in a Corner (Dirty Dancing), The Rapes of Graff (As Vinhas da Ira), Look Who’s Stalking (Olha quem Fala) e por aí fora.


Remind me: why did we break up?

O Teen Drama, teve o grande boom na década de 90 com series como Beveley Hills 90210 e Dawsons Creek e mais tarde OC e Gossip Girl. É um género que partilha muitos aspectos com a telenovela e onde um grupo de adolescentes (normalmente ricos e atraentes) aprendem a superar as dificuldades da entrada na vida adulta. Com elas, Veronica Mars partilha todo o setting, a cidade costeira da Califórnia, onde domina uma pequena mas influente elite milionária.

Por estranho que pareça este setting é perfeito para a tonalidade noir da série, desde logo porque cria um poderoso contraste entre registos tão distintos, e é um perfeito canvas para representar as lutas de classe tão importantes em Veronica Mars. Se em OC os heróis fazem parte da elite, em Veronica Mars, Veronica luta contra e despreza essa mesma elite.

É um facto que série foi aos poucos aproximando-se cada vez mais dum teen drama (em especial na 3ª temporada), mas a verdade é que Rob Thomas utiliza a seu favor os clichés banalizados nas séries do género. O espectador conhece esses clichés e Veronica Mars (a série) aproveita para nos “enganar” ao não os utilizar quando esperamos que eles venham a surgir.

Isso é muito visível nas personagens e desde logo em Veronica. Ela nunca poderia ser vista em OC ou Beverly Hills 90210, tal como Rob Thomas diz: “Acho que a maior parte da televisão foca-se em heróis simpáticos e gentis. Em especial as séries para adolescentes tendem a ter uma clara distinção entre pessoas boas e más. Nós trabalhamos de forma dedicada para manter a Veronica longe de ser demasiado simpática e amigável. Ela faz de tudo para responder na mesma moeda. Ela é brusca. Ela tem um sentido de justiça típico do Antigo Testamento, e tem poucos problemas em invadir a privacidade alheia.”

A série (tal como a sua protagonista) nunca tem pejo em satirizar os lugares comuns dos teen dramas, no entanto a verdade é que a série bebe muitas das suas influências e não tem vergonha de o fazer.

I hear you do dectective stuff for people

As séries de investigação tiveram uma gigantesca explosão com o super popular CSI (e os seus spin-offs e imitações). No entanto, embora Veronica Mars siga um caminho onde as investigações são o prato do dia, a série nunca entra no mesmo grupo, preferindo seguir os caminhos dos romances policiais de detectives classicos de Sherlock Holmes, Poirrot, Columbo, Maigret e companhia.

Onde no CSI temos um trabalho de grupo onde a ciência quase sempre prevalece, em Veronica Mars temos um trabalho (quase sempre) solitário onde uma mente brilhante desvenda os segredos. Aliás a forma como a Veronica consegue sempre levar a melhor, através da sua intuição e inteligência é muito reminiscente de Hercule Poirrot e das suas “células cinzentas”. No entanto Veronica é uma criação do séc. XXI, e como tal ela não tem pejo em usar as novas tecnologias a seu favor.

A ficção policial/detective clássica segue alguns pontos chave, muitos deles introduzidos por Wilkie Collins (um dos pais da ficção policial) e quase todos esses pontos e ideias são basilares em qualquer história e caso de Veronica Mars: inside jobs, pistas falsas, um investigador brilhante, policias locais incapazes, inquéritos, uma grande quantidade de suspeitos falsos, o “suspeito menos provável”, mistérios aparentemente impossíveis, uma reconstrução do crime e um ultimo grande twist. Alguns casos (como o do jogo de poker no 10º episódio da 1ª temporada) segue quase passo a passo uma história clássica de detectives, a revelação final da Veronica quase se pode considerar uma homenagem aos desfechos espectacular e surpreendentes de Hercule Poirrot por exemplo, onde todos se reuniam numa sala à espera da revelação bombástica do brilhante detective.

Não é só Veronica que segue os parâmetros do género, Wallace é o seu Watson, o Xerife Lamb a autoridade local incompetente e Weevil, Mac entre outros as suas fontes de informação que lhe permite seguir as investigações em frente.

Think I’ve got a future in the biz?

Após o cancelamento da série em 2007 o regresso de Veronica Mars ficou cada vez menos provável. A hipótese dum filme que fechasse de vez a história da série vai sendo falado intermitentemente, actualmente parece haver boas possibilidades para que isso venha a acontecer, no entanto nada é certo. Mas será que é necessário mais Veronica Mars? Não será desnecessário continuar uma história que já começava a perder o sentido na ultima temporada? E onde os protagonistas começam a entrar numa idade que torna a premissa original obsoleta? A magia da série era ver adolescentes dentro dum mundo diferente do normal, não perderá um pouco o sentido de Veronica Mars se retirarmos essa mesma magia?

Bah… Who am i kidding… não há fãs casuais de Veronica Mars, nós queremos mais!

Comments
2 Responses to “As influências de Veronica Mars”
  1. Joao Mealha diz:

    uau…uma série que te faz escrevinhar tanto merece realmente um pouco da minha atenção…a ver vamos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: