The World is Not Enough – O Mundo Não Chega [1999]

E… final de mais uma década! Meio século de maratona já lá vai e estamos prestes a entrar na derradeira década e nos três últimos filmes.

Depois da seca do Tomorrow Never Dies nada melhor que ver um dos meus guilty pleasures, talvez por ter sido um dos 007 recentes que vi mais vezes, mas sempre tive um fraquinho pelo The World is Not Enough, mesmo tendo consciência que é fraquinho. A sequência inicial é representativa do que o filme nos reserva. É menos sério e mais pateta que os dois predecessores (vamos fingir que ainda não sabemos como vai ser o Die Another Day) e a acção é bastante over the top. Na altura era fã dos Garbage e da Shirley Manson (o que é feito dela?) por isso ainda tenho uma pequena estima pela tema principal.

O que torna este filme mais interessante que o Tomorrow Never Dies, mesmo sendo possivelmente inferior (não é) é o facto de haver uma história minimamente apelativa. É interessante descobrir as motivações da Elektra e do Renard. Há um progressivo desvendar da trama, algo que o filme anterior não conseguiu fazer. Mas infelizmente o filme está carregado de cenas demasiado longas e aborrecidas que estragam o ritmo, como a cena do ski (malditas cenas de ski… quando é que aprendem que são uma seca? até o Inception falhou nisso…) e a na fabrica de caviar que é ennooormeee. Também o clímax deixou um pouco a desejar, enfim como é habitual na saga 007, as cenas de acção são sempre o ponto mais fraco dos filmes.

Vou-me retratar sobre uma afirmação que fiz no post sobre o Goldeneye. O Pierce Brosnan não está a piorar, bem pelo contrário, o seu estilo já está bem vincado e a meu ver está muito bem. A super charmosa (estas francesas tiram-me do sério) Sophie Marceau é uma excelente bond girl e mais, acho que é a primeira bond girl que é simultâneamente  o vilão principal, se bem me lembro isso nunca aconteceu nos anteriores filmes. O Renanrd do Robert Carlyle aparenta ser o vilão principal mas na realidade é mesmo a  Elektra. A outra bond girl é interpretada pela Denise Richards. Coitada… anda sempre perdida lá no meio sem saber bem o que fazer, e sim ela é suposto ser uma cientista nuclear… lulz. No entanto ela tem um nome que possibilitou um dos puns mais infames da saga “I thought christmas only came once a year”.

Um aparte, a despedida do Desmond Llewelyn foi bonita.

Vou ser sincero, embora a segunda metade desta maratona tenha sido feita em esforço e muitos dos filmes foram vistos como uma obrigação (a fase Sean Connery foi muito mais gratificante) já começo a ficar nostálgico… já só faltam três filmes… 😦

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: