Killzone 3 [2011]

Killzone 3 é um First Person Shooter desenvolvido pela Guerrilla Games para a consola da Sony, e o primeiro jogo da série a ser apresentado em 3D. Sendo uma sequela directa do anterior titulo, o jogo continua a história do antecessor, sendo o seu foco, a batalha entre os Helghast e os soldados da ISA, acontecimentos estes que já eram o ponto principal nos anteriores títulos da serie.

Mas antes de me alongar na descrição do jogo e respectiva opinião sobre o mesmo, acho relevante informar que o motivo que me fez avançar para este jogo foi o facto de ser compatível com o comando por movimentos da Sony, o PlayStation Move, sendo este titulo considerado por muitos amigos e jogadores como o que melhor captava as vantagens deste novo acessório de jogo. E digo desde já que a experiência foi fantástica, mas já la vamos…

Graficamente, e falando em termos de cenários, o jogo decorre em vários ambientes agressivos, tais como paisagens árcticas, uma selva alienígena com excelentes detalhes e pormenores bonitos de apreciar, terrenos baldios, terminando no interior de uma nave espacial, o que por si só é elucidativo da enorme variedade que o jogo apresenta em termos de cenários, e uma clara melhoria em relação ao titulo anterior. Outras características notáveis do jogo que convém realçar é a capacidade de poder usar jet packs tanto para percorrer cenários como para combater a facção inimiga, e um maior numero de batalhas travadas a bordo de veículos e naves o que confere a este titulo a tão aclamada variedade que muito se pediu no Killzone 2.

É frequente ficar bastante agradado com a qualidade gráfica conseguida neste titulo, especialmente tendo em conta o tamanho de alguns mapas e a complexidade de alguns veículos e edifícios que o jogo apresenta. Neste aspecto destaco a batalha contra o MAWLR, e a sequência final de acção que ocorre no espaço, que são dignas de serem jogadas e apreciadas.

Basicamente, a jogabilidade parece-se muito com a do anterior capitulo, embora com vários ajustes e mudanças. No fundo este é um First Person Shooter que segue os parâmetros normais neste tipo de jogos, sendo que aqui o especial destaque vão para as sequências alucinantes de acção a lembrarem um Call of Duty, pelo que a palavra de ordem é disparar, desfrutar e no fim respirar fundo por ter completado mais uma secção louca do jogo, o que por si é exemplificativo do empenho colocado pela produtora nestas sequências de belo efeito. Quem estiver habituado a jogar com o Dual Shock irá sentir-se como um peixe na água, visto que neste aspecto a Guerrilla não mudou muito aquilo que já era bom no anterior. Mas se querem um motivo para comprar um PlayStation Move, este é sem duvida o vosso jogo, isto claro está se acompanhado com o PlayStation Move Navigation que é altamente recomendado.

Basicamente a Guerrilla pegou em todas as características que tornam Killzone num óptimo jogo em termos de jogabilidade e adaptou-as de forma brilhante ao Move. A precisão com este comando sobe logo em flecha, isto claro está, após um devido tempo para a respectiva habituação à sensibilidade do mesmo, e as formas usadas para dar vida aos movimentos da personagem são as mais adequadas e de fácil adaptação. Com um movimento giratório rápido, podeis recarregar as armas, com o botão Move pode-se entrar em cobertura durante os tiroteios e com um movimento de empurrão faz-se um ataque corpo-a-corpo, enquanto que no Navigation controla-se a personagem e interage-se com o mundo de jogo. Acreditem a jogabilidade está muito bem concretizada e é bastante eficaz.

Em termos de modos de jogo e além do modo campanha, Killzone 3 suporta split-screen para cooperação entre dois jogadores, sendo possível concluir a campanha neste modo, algo que não estava presente no Killzone 2. Em termos de online, este titulo possui três diferentes modos de jogo: Guerilla Warfare, Warzone e Operações, e um total de 8 mapas disponíveis, embora esteja já anunciado pela Guerrilla vários DLCs com novos mapas para poderem ser desfrutados nestes modos de jogo. Existem também cinco classes distintas para os jogadores poderem escolher, sendo que cada um tem suas próprias habilidades e armas especiais. É de louvar a variedade incluída pela produtora neste modo, embora pelo que tenho conhecimento, isto já vem desde o titulo anterior (apesar de nunca o ter jogado em versão multiplayer) visto ser frequente os elogios à comunidade online de Killzone.

Só que nem tudo é bom neste titulo, e é justo referir algumas características que poderiam e deveriam ter sido melhoradas pela produtora. Para começar, acho que poderia existir um espécie de modo treino para os jogadores que não estejam familiarizados com o Move poderem treinar um pouco mais antes de avançar para a história, bem como um maior numero de configurações para os comandos, apesar destes serem até bons. Digo isto porque nem toda a gente é igual, e aquilo que para mim pode ser uma boa configuração, certamente não o será para outro jogador. Em segundo lugar acho que a história apesar de boa, poderia e deveria ter sido mais trabalhada (apesar de ninguém esperar por excelentes plots num FPS) pois além de previsível, torna-se banal com a aproximação da conclusão, sendo que no fim revela-se ainda bastante curta.

Killzone 3 é acima de tudo um bom titulo para a PlayStation 3. Se pretendem continuar as peripécias do anterior, ou procuram um titulo fantástico para ser jogado com o PlayStation Move, então estão perante o melhor de todos, isto claro está, se conseguirem ultrapassar aqueles pequenos defeitos que referi, que apesar de não ser bastante graves, acabam por evitar que este titulo atinja uma pontuação superior. Apesar disto gostei da experiência que este jogo proporcionou-me com o Move, sendo portanto recomendado.

Positivo:
+ Melhor título disponível actualmente para o Move
+ Multiplayer variado e muito interessante
+ Grafismo

Negativo:
– Ausência de um modo treino para o Move
– Campanha algo curta

Sai do templ… do PixelHunt com:

Comments
6 Responses to “Killzone 3 [2011]”
  1. Álvaro diz:

    Eu só joguei o 1º Killzone e apesar de todas as críticas gostei do jogo. Este com o Move deve estar bom de se jogar, mas passo que não há PS3 por aqui.
    Quanto a FPS’s numa consola nada me agradou tanto o BLACK. Fantástico!

  2. Hugo Bessa diz:

    Experimenta dar uma hipótese a este, Berto. Se não me engano existe uma versão multiplayer gratuita na PSN.

  3. Álvaro diz:

    Ah sim, não é um jogo perfeito e do que me lembro os controlos eram algo lentos e pesados. Mas depois tudo se iluminou com o BLACK :b
    Hugo, experimenta lá o jogo e conta aqui ao pessoal como é😉

  4. Tiago diz:

    A jogabilidade é boa, sim, especialmente com o Move.
    Visualmente continua muito bom. Mas não tão imponente como o segundo da série.
    Desiludiu-me completamente a nível de guião. A história morreu quando a Guerrilla decidiu continuar com as duas personagens mais vazias de todo o jogo, Rico e Sev.
    Se no primeiro jogo assistiamos a um equilibrio entre as personagens principais, o terceiro apresentanos apenas dois insurretos e meia dúzia de outras personagens que aparecem por conveniência.
    A continuidade dentro do capítulo também não é das melhores. Existe um enorme vazio entre a evacuação fracassada e o acampamento na selva. Um tutorial quase a meio do jogo que basicamente explica o que já se sabe, leva a querer que o jogo foi pensado inicialmente para começar ali e só depois acrescentaram a primeira parte. Teria sido um início bem mais interessante se o jogador tivesse sido colocado de imediato meses à frente dos eventos do Killzone 2.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: