The Hobbit: An Unexpected Journey – Uma Viagem Inesperada [2012]

the-hobbit-poster

Depois de muitos adiamentos (comecei um novo emprego e não tenho tido muito tempo) lá fui ver o Hobbit! Que versão fui ver? A normal de 24fps em 2D. Se vou ver a de 48? Talvez… se tiver tempo.

No dia de estreia já tinha visto parte do filme (coisas de quem trabalhava num cinema) e tinha gostado do que vi, no entanto tinha visto a parte final que é de longe a mais interessante. Mas vê-lo de inicio ao fim é obviamente diferente e certos aspectos tornam-se mais evidentes. E vendo-o por completo admito que custou um pouco “aguentar” as 3 horas tornando-se bastante óbvio que o conteúdo apresentado não era suficiente para encher um filme tão longo. A primeira hora no Shire é tão lenta, tão longa e com tanta palha que me pergunto se não conseguiriam apresentar tudo em 20 minutos. Eu até aceitaria se usassem tanto tempo para desenvolvimento de personagens, mas a verdade é que não o fizeram para além do Bilbo. Não fiquei a conhecer nenhum dos anões e o Gandalf não teve qualquer desenvolvimento para além do que conhecemos dele do Senhor dos Anéis.

Depois desse inicio pastoso as coisas melhoram um pouco e o ritmo torna-se mais constante, mas nunca me saiu da cabeça a sensação de que estava a ver uma colectânea de diferentes cenas todas coladas entre si de forma bastante rudimentar, em vez de algo pensado como uma só “peça”. De facto essa sensação que tive complementa toda a artificialidade que O Hobbit me transmitiu. É tudo muito falso e plástico, parece que estão todos dentro de estúdios em green screen e não no terreno e na lama como na trilogia anterior. Não ajuda que grande parte dos efeitos práticos e dos trabalhos de maquilhagem e caracterização das criaturas tenham sido substituídos por CGI.  É um pouco a sensação que se tem ao ver as prequelas do Star Wars, no entanto não na mesma escala como é óbvio.

Mas não me interpretem mal, eu gostei do filme, isto porque na sua raiz, The Hobbit é um bom filme que sofre de alguns problemas. Há algumas sequências muito boas, em especial a cena do Gollum que a meu ver é mesmo o ponto alto do filme. O Martin Freeman está a um óptimo nível, o seu Bilbo é de longe superior ao Frodo, nem se compara, e o tema principal é muito bom e encaixa que nem uma luva em todas as cenas. Para além disso, o espírito da aventura torna-o bastante próximo ao Fellowship of the Ring, é mais leve, mais cómico e com uma maior progressão espacial, eles estão sempre em movimento e raramente perdem muito tempo num só local.

Eu sei que me foquei mais nos aspectos negativos, mas eu sou assim. De forma geral gostei do que vi, mesmo com alguns momentos pastosos, as 3 horas passam-se bastante bem e é sempre agradável regressar à Terra Média.

Comments
One Response to “The Hobbit: An Unexpected Journey – Uma Viagem Inesperada [2012]”
  1. Só vou ver o filme para a semana mas também já suspeitava que tivesse as falhas que apontaste. Pelo menos as coisas devem melhorar nos filmes seguintes (ainda falta editar os outros 2, certo?).

    Ainda assim, sendo eu um grande nerd, mal posso esperar para ver o filme😀 Pelo menos sempre está mais perto do Irmandade do Anel, que é o meu favorito.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: