The Elder Scrolls V: Skyrim [2011]

skyrim

Este foi provavelmente um dos jogos que mais tempo demorei a acabar. Não em termos de horas de jogo, mas no tempo que passou desde que o comecei (em Janeiro) até o colocar de lado (portanto na semana passada). Normalmente estes casos acontecem por duas razões, ou o jogo tem tanto conteúdo que simplesmente demoro eternidades a acabar, ou é tão aborrecido que simplesmente não me apetece jogar.

A razão porque demorei tanto tempo a terminar Skyrim é um misto das duas, mas a segunda foi muito mais prevalecente, caso contrario não iria demorar 6 meses para fazer 35 horas. Na verdade, e deixem-me já esclarecer isto, não gostei lá muito de Skyrim, e os grandes culpados são The Witcher e Game of Thrones. Como sabem, eu sou um grande fã do mundo criado por Sapkowski e também ando completamente viciado na série e nos livros do George RR Martin. Obviamente é injusto comparar assim diferentes mundos, mas é algo que não consigo evitar, sempre que jogava Skyrim perdia completamente a motivação, porque aquele mundo não despertava o mesmo entusiasmo em mim.

A sua narrativa é tão desinteressante que nunca puxou por mim. O seu universo é tão genérico que era um castigo ouvir e ler todo o lore da treta que as personagens uni-dimensionais desbobinavam a toda a hora. Sempre que via um episódio de Game of Thrones a mera perspectiva de entrar em Skyrim já me aborrecia de morte. As formas que usei para tentar ultrapassar isto foi instalar mods… e que mods perguntam vocês? Espadas e armaduras do The Witcher… sim, cheguei a esse ponto.

Mas vá, não vou passar o texto todo a cascar no jogo, já deu para perceber a ideia.

skyrim

Este sentimento foi mais ou menos o mesmo de quando joguei o Oblivion (se bem que na altura não conhecia as criações do Sapkowski e do Martin) há alguns anos atrás, por isso já devia ir preparado. No entanto, a minha experiência com o Fallout 3 foi muito mais agradável, e foi porque abordei o jogo de forma diferente. Ignorei o mais que pude a história principal, tentei fazer role-play e imergir-me no mundo de jogo. As coisas resultaram até certo ponto por isso decidi fazer o mesmo em Skyrim. Resultou? Não, mas inicialmente consegui sentir-me genuinamente atraído pelas terras frias do norte de Tamriel. Quando abordado dessa forma menos linear e aleatória, Skyrim pode tornar-se gratificante. É porreiro andar a vaguear pelo mundo à procura de qualquer coisa que salte à vista, grutas, rios, cidades, masmorras e por ai fora. Gosto do isolamento, de me sentir perdido e da sensação de voltar a casa depois duma longa viagem. Nesse campo, os jogos da Bathesda exaltam, o problema é que é quase tudo demasiado superficial, quando procuro aprofundar-me raramente encontro muito sumo.

Portanto abordei as minhas primeiras horas exactamente como no Fallout 3, ignorei completamente a historia principal, fui literalmente para o lado oposto da setinha que indicava no mapa o próximo passo da quest principal. Fui à minha vida explorar o mundo e fiz role play, no meu jogo a minha personagem era uma mulher witcher (pois…) que ia cruzar as terras em busca de monstros para matar para posteriormente vender os despojos. Isso é tudo muito bonito mas rapidamente cheguei à conclusão que Skyrim não foi feito para isso, tudo o que não for o destino pré-definido de dragonborn é quase inexistente e tremendamente superficial. Senti-me como se estivesse a lutar contra uma corrente que me arrastava para o percurso esperado para a minha personagem, salvar o mundo. Dezenas de horas mais tarde depois de muitas missões secundárias das quais poucas me impressionaram, decidi ceder e fazer o que queriam. Segui a missão principal e descobri o quão genérica ela era, exactamente como se espera dum jogo da Bethesda. Por esta altura já estava completamente desiludido com o jogo e só queria chegar o mais rapidamente possível ao final da história.

skyrim2

Para além da tradicional liberdade física que se espera dum jogo da Bethesda, Skyrim dá-nos uma assustadora liberdade mecânica. As skill trees são vastíssimas, as possibilidades de especialização são enormes e há ainda os sistemas de magia, alquimia, encantamentos, ferragem, crafting, etc e tal. As possibilidades são intermináveis e nesse campo é um jogo portentoso e difícil de criticar. Acaba por ser essa liberdade mecânica que mais me atraiu, porque um mundo enorme pouco serve se for vazio e desinteressante como neste caso. O que mais gostei no espaço físico de Skyrim acabou por ser as diversas masmorras e as viagens entre missões quando andava completamente sozinho sem outras personagens a quebrar a imersão. É fácil de adivinhar que o pior foi mesmo as cidades. É horrível dar dois passos e ouvir cada um dos habitantes a falar para nós como se fossemos família ou como se eu estivesse minimamente interessado nas suas vidas.

Para além de narrativas fraquinhas há outros aspectos negativos que se espera sempre dum jogo da Bethesda, tipo o combate. O combate corpo a corpo é, tal como se esperava, muito limitado, mas o arco e flecha (que foi a especialização que escolhi) é bastante bom e acabou por transformar o combate numa das minhas partes favoritas, especialmente quando aliado à especializações de stealth. É nestas coisas que Skyrim brilha, há um pouco de tudo para todos, quem preferir magia, espada e escudo, longswords e por aí fora, há uma série de especializações a escolher de acordo com as nossas preferências.

Podia estar aqui a debitar todos os aspectos positivos e negativos, de como a UI é muito mal adaptada ao PC, de como o voice acting é desinspirado, da beleza de alguns mods que transformam o jogo base, das maravilhosas vistas e por aí fora, mas isto é suposto ser basicamente um relato da minha experiência com Skyrim. Uma experiência com muitos altos e baixos mas que no final do dia deixou-me um pequeno travo amargo na boca. Decididamente a série Elder Scrolls não é para mim e a perspectiva de continuar a arriscar nos jogos da Bethesda é cada vez menos apelativa.

Positivo:
+ Liberdade e inúmeras opções
+ Muitos mods de qualidade
+ Mundo gigantesco

Negativo:
– Narrativa e lore desinteressantes
– Personagens ocas

Sai do templ… do PixelHunt com:

Comments
9 Responses to “The Elder Scrolls V: Skyrim [2011]”
  1. É engraçado. Tal como tu (e até uns amigos meus) só mesmo o Fallout 3 é que chamou a atenção, e mesmo assim ignorando a história principal (a minha personagem era Judas Priest, um mercenário vindo do futuro que faz tudo para ter mau karma e evitar o combate em tempo real). Como o jogo era facilmente modificável, adicionei à pasta de música a banda sonora do Stranger’s Wrath e dos outros jogos do Oddworld, que até combinava bem com o jogo.

    A unica coisa que me pode chamar ao próximo TES é a melhoria do combate (afinal de contas, compraram a Arkane por alguma razão, certo?) e o uso de um motor de jogo que não seja horrível.

    • Acho que o Fallout 3 dá mais espaço para fazer role-play. O lore não é tão aborrecido e extenso como o dum Elder Scrolls e não és tão arrastado para a main quest. Quando joguei F3 basicamente estava a jogar como se estivesse na Zone do STALKER😀 A imaginação é um instrumento fenomenal😄

  2. Tiago Sousa diz:

    3??!!! Tanto?

    • lol😀 tive para dar 2,5 que é exactamente a metade da escala, mas depois lembrei-me que também passei bons momentos no jogo e houve alturas lá para Fevereiro em que estive seriamente viciado nisto. E ainda ontem voltei lá para acabar umas side-quests e acabei por passar um par de horas assim do nada.

      A coisa é que um jogo destes é propicio a que se fale dos aspectos menos positivos porque… ninguém fala deles! São esses pontos menos bons que vão ficar gravados na minha cabeça e que acabaram por vir reflectidos no texto.

  3. Hugo Bessa diz:

    Keep Calm, e joga antes Dark Souls que é em tudo superior…

  4. Hugo Bessa diz:

    Joguei umas horas. Encostei depois. É muito mau…

  5. Sphiret diz:

    Cara você não jogou Skyrim direito francamente reveja seus conceitos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: