Carnival of Souls [1962]

carnival_of_souls_poster_01

Saltamos quase 30 anos rumo à década de 60 para um filme que ia com poucas expectativas, mas que me conquistou por completo.

Pouco ou nada conhecia de Carnival of Souls, apenas o nome e pouco mais, portanto escolhi-o para esta maratona mais por curiosidade, contudo o que encontrei foi um filme que se enquadra perfeitamente nos meus gostos, portanto um filme de terror psicológico, cheio de atmosfera e um forte elemento surrealista directamente saído dum mundo “lynchiano”. Por falar em David Lynch, é perfeitamente notório que Carnival of Souls foi uma forte inspiração para o realizador americano, porque há aqui muitos elementos que ele viria a usar anos mais tarde nos seus filmes.

Mas, à semelhança de grande parte dos bons filmes de terror, Carnival of Souls é mais do que aparenta ser. Esta não é apenas uma história duma mulher assaltada por visões fantasmagóricas, mas sim um olhar sobre a espiral de descida duma mulher traumatizada e afectada por uma crescente fobia social e solidão que a obriga a afastar-se cada vez mais do mundo à sua volta. De certa forma faz lembrar a protagonista de Repulsion do Polanski que batalhava os seus medos não da vida real, mas da sua mente. O twist final muito twilight zone dá uma camada sobrenatural a Carnival of Souls, mas a meu ver funciona quase como uma gimmick porque ele funcionaria tão bem ou melhor sem ele.

Uma das suas particularidades é o facto de usar actores desconhecidos, muitos deles nem eram actores. É uma consequência do baixíssimo orçamento de cerca de 33,000$ (que dá algo como 260,000$ hoje em dia) mas também do espírito de b-movie que era o objectivo inicial. Esse acaba por ser o factor menos positivo de Carnival of Souls já que as interpretações são realmente muito más, o que é pena. Um ultimo aparte para a figura do The Man (interpretado pelo próprio realizador Herk Harvey) que assalta os sonhos da protagonista. É fantástico e extremamente creepy!

Há uma versão colorida do filme mas que não aconselho, a preto e branco, a meu ver, transmite muito melhor a atmosfera de sonho que Carnival of Souls tão bem consegue montar.

Resumindo e concluindo, foi uma óptima surpresa, o melhor filme até agora da maratona e, claro, é mais que recomendado se gostam de terror psicológico, atmosfera creepy e surrealismo. Para o próximo da lista vamos viajar até ao Japão para ver Onibaba, outro filme que não conheço nada de nada, espero que seja mais uma boa surpresa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: