Gravity – Gravidade [2013]

gravity-poster

Depois do fabuloso Children of Men, que é um dos meus filmes favoritos, a expectativa para ver o que o Alfonso Cuarón iria apresentar de seguida era bem alta. Fiquei completamente em pulgas quando soube que seria mais um sci-fi, este passado no espaço! Ainda para mais na altura falava-se que a Marion Cotillard poderia ser a protagonista! Infelizmente o êxtase foi cortado um pouco quando se soube que afinal seria a Sandra Bullock que… definitivamente não gosto muito como actriz.

Pois bem, os meses passaram, começaram a surgir mais informações, trailers e por aí fora, tudo com muito bom aspecto mesmo para me deixar de água na boca e tornar as minhas expectativas impossíveis de igualar. Fui para o cinema já com aquela certeza escondida de que por alguma razão iria sair desiludido, contudo, devo dizer que tal não aconteceu! Gravity é diferente do que estava à espera, mas nem por isso deixa de ser lindo!

E lindo é mesmo o adjectivo que melhor se encaixa aqui, a fotografia é indescritível e a beleza do espaço e do planeta Terra foi magistralmente colocada no filme. O arrojo e criatividade do Cuarón está bem presente com diferentes ângulos de camera e os longos, longos tracking shots de minutos que ele já nos habituou. Mas se como experiência sensorial Gravity é perfeito, como história, a meu ver é apenas competente, na minha opinião havia aqui potencial para fazer algo muito mais profundo do que a história de fuga e sobrevivência que Cuarón nos mostrou. É certo que há alguns elementos filosóficos martelados de forma um pouco superficial, mas esta, infelizmente, não é a experiência provocadora que podia e devia ser.

Mas se calhar muito desse sentimento provém da expectativa que eu tinha em relação a Gravity. Desde muito cedo que meti na cabeça que este seria um filme dum naufrago no espaço, que seria uma história dum astronauta perdido no vazio do cosmos à espera da sua morte onde reflectiria profundamente sobre questões filosóficas. A verdade é que na realidade é um glorioso filme de acção, o que acabou por ser diferente do que estava à espera, mas atenção que não o tornou pior! Apenas diferente.

Tenho que tirar o meu chapéu de forma veemente ao design sonoro. Na introdução é-nos dito que no espaço não há som e de facto… o filme segue isso de forma religiosa! É extremamente refrescante ver um filme que finalmente segue uma das regras cientificas de vida no espaço mais básicas, sinceramente o único exemplo que me lembro de ver isso foi no 2001: A Space Odyssey.

Acho que tenho que falar da Sandra Bullock, é inegável que esteve bem e conseguiu segurar o filme todo nas suas costas, mas continuo a achar que ela não foi uma boa escolha. Uma melhor actriz (como a Marion wink wink :D) elevaria muito mais o filme. Ou então não, não sei.

Mas tudo isto não invalida que Gravity seja um dos melhores filmes do ano e o melhor filme de sci-fi (se bem que há pessoal que diz que isto não é sci-fi… whaaaat?!) desde… sei lá… há muito tempo. É fantástico, mas pessoalmente acho que não consegue chegar ao mesmo patamar do Children of Men. Ah e tem uma pequena homenagem ao Barbarella!😄

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: