The Witness [2016]

Braid foi provavelmente a primeira grande explosão indie moderna nos idos de 2008 (a par de World of Goo talvez) e foi um dos primeiros exemplos a demonstrar que pequenos developers tinham condições para nos dar experiências artísticas e mecânicas ao nível, ou naquele caso mesmo superiores, dos grandes estúdios. Jonathan Blow levou o seu … Continuar a ler

Oxenfree [2016]

Os jogos quase exclusivamente narrativos têm vindo a sofrer mutações ao longo dos tempos, se antigamente as aventuras gráficas eram rainhas, hoje em dia o espectro tem-se vindo a expandir por diferentes sub-géneros e até em novas formas narrativas distintas. “Walking simulators” têm levantado bem alto o estandarte das narrativas interactivas e têm evoluído a … Continuar a ler

Layers of Fear [2016]

Sou um apaixonado pelos denominados “walking simulators” experiências narrativas interactivas que usam a exploração para contar uma história, sem foco na jogalidades mas apenas na descoberta através de narrativa ambiental. É um novo subgénero criado por jogos como Dear Esther e popularizado por títulos como The Vanishing of Ethan Carter, Gone Home, Firewatch ou The … Continuar a ler

Journey to the Center of the Earth – Viagem ao Centro da Terra [1959]

Para segundo filme desta maratona, viajamos não só para o centro da terra, mas também cerca de 20 anos até à década de 50 com, já adivinharam, Journey to the Center of the Earth. Depois do sucesso que tinha sido de 20.000 Leagues Under the Sea da Disney quatro anos antes, a Fox decidiu que não queria ficar … Continuar a ler

King Kong [1933]

Damos inicio a mais uma edição da Maratona sci-fi com um clássico que… não é sci-fi? Na verdade é um pouco difícil classificar King Kong porque consegue ser várias coisas ao mesmo tempo. Sim, é um filme de aventura, os heróis partem numa viagem a uma ilha misteriosa onde encontram seres perdidos no tempo. Sim, … Continuar a ler

Inside [2016]

Lembram-se de Limbo? O menino bonito da cena indie nos idos de 2010. Cheguei a falar dele por cá e dei-lhe boa nota, mesmo reconhecendo que perdia muito gás na segunda parte da sua curta duração. Seis anos (!) se passaram e os dinamarqueses da Playdead apresentaram a sequela espiritual intitulada de Inside. E o … Continuar a ler

Acabei de Jogar… Crime no Hotel Lisboa | Never Alone | Tiny & Big: Grandpa’s Leftovers

Já joguei alguns destes jogos há valentes meses, mas só falo agora deles porque decidi junta-los num só artigo, como fazia antes. E fi-lo porque honestamente não tenho muito para falar, pelo menos não o suficiente para encher uma entrada para cada um destes jogos 😀 Crime no Hotel Lisboa [2014] É sempre bom haver … Continuar a ler

Rise of the Tomb Raider [2015]

Não há muitas séries de jogos que posso dizer que goste tanto ao ponto de me acompanharem desde que comecei a jogar. Menos ainda as que ainda existem hoje em dia. Dessas poucas séries Tomb Raider é possivelmente a que mais se destaca, foi um dos primeiros jogos (Tomb Raider II em 1997) que joguei … Continuar a ler

Firewatch [2016]

O meu primeiro jogo de 2016 é um que, honestamente, nunca tinha ouvido falar até cerca de uma semana antes do seu lançamento. Conheci-o através do trailer em que tropecei ao ler algumas impressões sobre este Firewatch. O facto de o ter comprado quase instantaneamente é um sinal do impacto que o material promocional teve … Continuar a ler

Gabriel Knight: Sins of the Fathers – 20th Anniversary Edition [2014]

Remakes… Não sei bem porquê mas consigo-os aceitar melhor numa perspectiva de videojogo do que em cinema, talvez porque as limitações tecnológicas são muito mais preponderantes nos videojogos, ou talvez porque as visões artísticas têm um maior impacto em cinema… não sei. Mas nunca é fácil quando estamos perante o remake dum dos nossos jogos … Continuar a ler

Superbrothers: Sword & Sworcery [2011]

Meus amigos, antes de começarmos, por favor façam play no próximo vídeo e deixem-se imergir pela experiência sonora criada por Jim Guthrie para Superbrothers: Sword & Sworcery. Vá lá, eu espero =) Estão a gostar? Podem continuar a ouvir, mantenham a página aberta e vão fazer outras coisas, quando quiserem podem voltar. É um espectáculo … Continuar a ler

A arte de… Superbrothers: Sword & Sworcery

Oferta de Jogo Mensal – Dezembro: Post Mortem – (vencedor sorteado)

2012 está a terminar, este ano passou num ápice! Para comemorar um ano onde a crise foi a palavra mais ouvida, lida e comentada, nada melhor que viajar para o passado, para um tempo de prosperidade, para Paris durante os loucos anos 20. Falo de Post Mortem, uma aventura gráfica da antiga Micröids, jogo que … Continuar a ler

Acabei de jogar… The Path | Bastion | Machinarium

Estou de volta com mais um grupo de pequenos jogos que fui despachando nas ultimas semanas. Estou a gostar deste novo modelo de agrupar três mini-análises num só artigo, como tenho menos tempo livre posso falar mais sucinta e rapidamente sobre o que joguei. À semelhança do artigo que escrevi há algumas semanas, os três … Continuar a ler

Acabei de Jogar… Home | Faerie Solitaire | Trauma

Como sabem o meu backlog no Steam é colossal, por mais que jogue e despache jogos não consigo evitar comprar mais e ainda por cima recebo alguns de borla, como tal em vez de ir reduzindo o volume de títulos, as coisas vão crescendo. Como tal decidi partir para medidas mais drásticas, vou passar a … Continuar a ler

The Walking Dead [2012]

Depois de aguentar uns meses não resisti e comprei The Walking Dead durante o Halloween. Tem sido tão bem recebido que me deixou muito curioso se é desta que a Telltale finalmente sai da sua zona de conforto. Ainda tenho a série em stand by, o único contacto que tenho com The Walking Dead é … Continuar a ler

Scratches [2006]

Mais um jogo despachado e mais uma aventura gráfica! Desta vez o escolhido foi Scratches dos argentinos da Necleosys de que já andava de olho há bastante tempo. É curioso frisar a origem dos produtores porque não é habitual ver sul americanos a produzir jogos, muito menos aventuras gráficas que é um género muito centrado … Continuar a ler

Loom [1990]

Já há bastante tempo que não jogava um aventura gráfica clássica para recordar os bons velhos tempos. Sempre fui mais um tipo da Sierra que da Lucas Arts, mas ao correr pela minha biblioteca do Steam tropecei pelo Loom da Lucas Arts, que nunca tinha jogado. Loom foi a aventura que antecedeu o clássico seminal … Continuar a ler

Samorost 2 [2005]

Há tempo falei-vos do Samorost e da forma como trilhou caminho para o Botanicula, para complementar decidi jogar também a segunda parte, Samorost 2. Com a duração de apenas 1 horinha, Samorost 2 refina e evolui a fórmula do primeiro jogo (que relembro era free) para um projecto um pouco mais longo e o primeiro … Continuar a ler

Botanicula [2012]

É tão bom quando não me lembro que um jogo que quero muito jogar está a chegar e cai da pára-quedas no meu colo “O quê?! Era hoje o lançamento!? Já não me lembrava!!!”. Foi o que aconteceu com Botanicula, já nem me lembrava que estava para ser lançado esta semana. Feels so good. A … Continuar a ler

Samorost [2003]

Com o lançamento de Botanicula, decidi recordar alguns dos jogos dos checos da Amanita Design.

Dear Esther [2012]

Parece que foi de propósito, o remake comercial de Dear Esther (inicialmente era um mod para Half-Life 2) foi lançado na mesma semana em que o PixelHunt fez dois anos de vida. Curiosamente, o primeiro artigo que escrevi aqui, foi nem mais nem menos sobre o mod. É engraçada esta coincidência. O que é Dear … Continuar a ler

Gemini Rue [2011]

Gostam de aventuras gráficas? Jogos indie? De cyberpunk? Blade Runner? Um bocadito de filosofia? Então click away!

Sanitarium [1998]

Há tempos fiz uma troca cultural com um amigo que me levou a descobrir Final Fantasy VII. Chegou a altura duma segunda troca, desta vez calhou-me uma aventura gráfica que se pode considerar relativamente obscura fora da comunidade nicho do género, mas que tem uma pequena legião de fãs, falo de Sanitarium.

Heavy Rain [2010]

Terminei Heavy Rain, era um jogo que sempre me interessou no passado, mas que já tinha colocado de parte porque nunca pensei vir a joga-lo por causa da exclusividade com a consola da Sony.